Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correio da Educação

Correio da Educação

 

Um grupo de cientistas norte-americanos e portugueses descobriu que uma proteína pode desencadear perturbações do espetro do autismo, parando a comunicação entre células cerebrais. A equipa provocou mutações no gene que controla a produção da proteína Shank3 em ratos, o que fez com que os animais desenvolvessem problemas ao nível das relações sociais e comportamentos repetitivos - desordens geralmente ligadas ao autismo. (Público)

 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.